Como ser perito nos tribunais?

Para se tornar um perito do juízo, o profissional deverá fazer visita as Varas dos Tribunais, e conversar pessoalmente com o Diretor da Vara ou com o Juiz, e dizer no que poderá ajudar, mostrar suas qualificações, entregar seu curriculum atualizado, cartão de visita, e que tipo de laudo poderá fazer para orientar o magistrado nos processo.


(NADA DE CURRICULUM POR E-MAIL)



  • O CURRICULUM


Elabore um curriculum médio, nem grande, nem pequeno, aqueles de um folha, isso não funciona, o ideal seria um curriculum de 3 (três) ou 4 (quatro) folhas apenas, importante SEM FOTO (explicar).



Indicação de um Perito já atuante poder ser a entrada mais rápida para começar atuar.



A VISÃO DO MAGISTRADO – JUÍZ


Geralmente o Perito é muito bem visto pelos juízes, os mesmos devido ao grande número de processo, gostam que profissionais “expert” lhe façam visitas, e ofereçam sua ajuda na justiça.



Portanto sem medo, podemos consultá-los.



NOS TRIBUNAIS - VARAS


O Perito de uma vara judicial pode ser constantemente chamado para atuar, inclusive em vários processos bem como em várias outras varas, quando um juiz o chama constantemente, isso é um sinal que seu trabalho é importante para aquele juiz, e visto que juízes não ficam muito tempo em uma determinada vara, o mesmo pode ser sempre deslocado para outras comarcas ou esferas, o juiz pode sempre chama-lo para atuar, e com isso o Perito ser reconhecido.



ONDE É POSSÍVEL ATUAR?


Todas as perícias acontecem no campo Cível, Eleitoral, Criminal bem como na esfera do Trabalho, (Trabalhista – TRT), a última também chamamos de justiça Trabalhista. As áreas Cível e Criminal ocorrem em âmbito Federal ou Estadual, já a do Trabalho, em Federal. As diferenças entre as justiças Federal, Estadual e do Trabalho são da seguinte forma: na Justiça do Trabalho, as partes são empregados e empregadores (empresas), e os assuntos tratam exclusivamente de relação de trabalho, ou assemelhados. Na justiça Federal, pelo menos uma das partes é a União ou órgão originado dela, do tipo INSS, Bancos do governo, DNER e demais órgãos. Na Estadual, passam processos comuns em que as partes não estariam incluídas, como possíveis litigantes, nas outras duas modalidades de justiças. A Justiça Estadual, chamamos ao mesmo tempo, de Justiça Comum.


- TRT



- CÍVIL



- CRIMINAL



- FEDERAL




HABILITAÇÃO NA JUSTIÇA ESTADUAL


O Conselho Superior de Magistratura determinou pelo Provimento 797/2003 que a nomeação de peritos pelos juízes estaduais está sujeita a procedimento prévio de habilitação.


O Artigo 2º. desse provimento determina qual a documentação que deve ser apresentada para pleitear essa habilitação, a saber:


1 – Curriculum com informações sobre formação profissional, qualificação técnica ou científica, experiência e área de atuação para as quais estejam apto;


2 - Declaração, sob as penas da lei, de que não tem vínculo de parentesco sanguíneo, por afinidade ou civil por linha ascendente, descendente ou colateral, até o quarto grau, com o Juiz e servidores da unidade judiciária em que for atuar;


3 – Cópia de certidões dos distribuidores cíveis e criminais das comarcas da capital e de seu domicilio, nos últimos 10 anos;


4 – Declaração de que não se opõe à vista de seu prontuário pelas partes e respectivos advogados e demais interessados a critério do Juiz;


5 – Outros documentos, a pedido do Juiz.


Parágrafo único – Para os fins do disposto citado no item 2 (dois) e no artigo 13, compreendem-se no conceito de afinidade os vínculos decorrentes de união estável, com o (a) companheiro (a) e parentes.


Artigo 6º - A cada 2 (dois) anos no máximo ou sempre que houver alteração na titularidade da Vara, o interessado deverá atualizar toda a documentação mencionada no artigo 2º, itens 2 (dois) e 3 (três) além de juntar outros documentos de seu interesse ao respectivo prontuário.



ESTRUTURA DO JUDICIÁRIO


1ª Instância, processo está com os juízes, nas varas e para a sentença em tribunais do estado.


2ª Instância, nesta fase ficam os desembargadores, as câmaras e os acórdãos.


3ª Instância, onde o processo está com os ministros, tribunais superiores, STJ, STF, STE, TST.




EM QUE INSTÂNCIA ATUAM OS PERITOS?


Um perito sempre será nomeado por um juiz de primeira instância, e sempre na esfera judicial, é importante saber disso, nas demais instâncias não existe uma prova pericial os ministros e desembargadores fazem as análises dos laudos já juntados ao processo e dão seu parecer.



Este site utiliza cookies para realização de análises estatísticas acerca de sua utilização. Não são coletados dados pessoais por meio de cookies. Ao clicar em “OK”, você concorda com o armazenamento de cookies e com a nossa política de privacidade.
 
Praça Clóvis Bevilaqua, 121 • 4º andar - Cj. 41 • CEP 01018-001 - SP • Tel. (11) 3104-1514 Política de privacidade